Back
Featured image of post Não se engane

Não se engane

Apesar de clichê, saiba que seu maior inimigo é você. E sempre vai ser. Quais são as principais armadilhas que monta para si? Como usar isso ao seu favor?

O humano tem a tendência natural de se autossabotar. E comumente a culpa é jogada para outrem ou nos levando para um lugar ruim dentro de nós mesmos. O fato é que ninguém tem uma completa visão sobre outra pessoa - incluso nós mesmos. As redes sociais escancaram os casos em que as pessoas se veem muito melhores do que são. Mas há também os casos nos quais nos vemos no outro extremo nos levando a lugares onde ninguém deveria estar.

Competição Eterna

Antes de nos aprofundar dentro do “eu”, vamos olhar para fora. Já reparou que estamos sempre competindo? É a outra área que tem regalias, é a pessoa ao lado que é a favorecida. Nunca você, não é? Pode até ser que você seja a pessoa não favorecida da sorte, que nunca foi reconhecida, ou que a vida põe uma cortina sempre que vão te ver. Ou será que você tem sim reconhecimento e até alguns favorecimentos e seletivamente prefere dizer que não quando é outra pessoa a vista da vez?

Outra modalidade competitiva que facilmente percebo ao redor é quando nos colocamos como perdedores em qualquer comparação. O outro é melhor, eu nunca o alcançarei. Não estou nem perto de ser que nem a Fulana. Essa é particularmente perigosa pois podemos nos colocar em um loop dificílimo de sair.

Há ainda quem nasceu para a competição, que sabe que está na disputa, e se coloca sempre como vencedor - independente de sê-lo de fato. Apesar de talvez não sofrer com isso a princípio, pode levar uma organização inteira a se desacreditar. A usar a pessoa que se coloca como “acima das outras” como parâmetro. O grande problema aqui é que se essa pessoa não for o que diz ser, inúmeras oportunidades de outras pessoas podem ter sido desperdiçadas. Fora que ninguém merece alguém arrogante em qualquer time.

Veja: não há organização que não tenha convivido com estes personagens em algum momento de sua história. Porque somos levados tanto instintivamente quanto socialmente a competirmos uns com os outros. Se não é o fator sobrevivência e perpetuação da espécie, é o mercado de trabalho em si. Você tem que “vencer” outras pessoas ao se aplicar para uma vaga. Estar entre os primeiros no vestibular. E não há como mudar tudo isso do dia para a noite. Então, o que fazer?

É preciso colaborar mais

Sim. Já ouvi muita gente dizer que sempre é bom manter uma competição saudável entre as pessoas nas organizações. Conheço muitas pessoas que defendem muito isso. Eu definitivamente não sou uma delas. Mesmo em contextos que tradicionalmente levam a competição, como áreas de atendimento ou vendas.

Quando estimulamos que haja alguém que vença, estamos também levando a um comportamento onde a vitória seja mais importante que o objetivo. Quando falamos de um time de futebol, estamos falando do time vencer como objetivo, não de que Fulano faça um gol. Quando falamos de uma empresa ou time, estes têm objetivos. Ser o funcionário do mês não deveria ser mais importante que atender bem o cliente. Você pode dizer “uma coisa leva a outra”. Quando a competição é incentivada, o objetivo torna-se meramente vencer e o propósito acaba ficando de lado.

Quando não colocamos a competição em cena e incentivamos a colaboração temos algo mais sustentável para trabalhar. O objetivo deve sempre ser claro então, com todos mirando a mesma coisa, podemos ter um time mais homogêneo, do qual sabemos o que esperar. A troca de conhecimento e suporte a habilidades tornam-se orgânicas. Outra vantagem clara é que se não temos uma pessoa vencedora, não temos espaço para arrogância e mal-estar decorrente disso. Sem perder tempo com isso podemos investir mais em ter um time mais equilibrado.

No âmbito pessoal também podemos aplicar esse conceito. Irmãos competindo pela atenção dos pais, marido que não aceita que a mulher seja mais bem sucedida que ele ou mesmo competindo para ver quem fica com a casa na separação. O amigo mais popular, ou [insira aqui um papel em uma relação] sendo mais que [insira aqui o outro papel]. Perdemos muito mais que só o tempo com competições que não precisam existir. Perdemos oportunidades de afeto, carinho, fraternidade e alegria.

Batalhas internas

Já pensou quanto de tudo isso você faz consigo? Quantas vezes não se colocou numa posição que não condizia com a realidade? Com certeza isso gerou conflito em algum momento. E, enquanto você batalha com seu alter ego, você pode perder oportunidades efetivas de melhor e evoluir.

Hoje, seu maior inimigo é você. Quando você se coloca acima do que realmente é. Quando se coloca abaixo. Algo fundamental em qualquer contexto é ter noção de quem você é. Nem mais, nem menos e nem diferente. Dificilmente sabemos tudo sobre nós mesmos, mas viver algo diferente do que se é acaba por ser a maior armadilha que se pode criar. Quando nos colocamos acima, ou a frente, perdemos tudo o que nos levaria a estar ali: aprendizados, pessoas, habilidades etc. Ao nos inferiorizar, ignoramos muito do valor que temos e de quem somos - e isso nos faz perder parte do mundo a nossa volta.

Mas nos colocar como algo diferente é ruim. Mentir sobre você é a maior armadilha que se pode criar contra si mesmo. Seja não estando presente na vida, no trabalho ou na família. Seja vendendo uma imagem na qual nem você se reconhece. Não admitindo que não sabe algo. Mentindo apenas para parecer superior. Pare. Ao invés de te aproximar dos seus objetivos, isso te joga na direção oposta. Pode parecer mais fácil a princípio, mas manter isso continuamente te coloca em uma batalha perdida consigo. E quando a farsa é descoberta, é a sua identidade, você, que é perdida.

Seja você

Entenda seu momento. Sua carreira. Seus relacionamentos afetivos, profissionais e fraternais. Do que gosta. Do que odeia. O que você permite que entre em sua vida. O que não permite. E sim, pense sobre o que quer ser um passo à frente. Mas não se torne esse “futuro eu” sem dar o passo.

Projete esse “futuro eu” e entenda as diferenças entre essa pessoa e você. O que te separa dela? Tempo? Conhecimento? Relações? Localização? O que quiser. Mas saiba bem quem você quer ser ao alcançar seus objetivos. Não lute contra essa pessoa. Seja rival dela. Não compita com ela. Crie uma parceria com ela. Entenda o que ela teve que fazer para chegar aonde chegou e faça o mesmo - ou melhor. Colabore com ela. Encurte a distância entre vocês, passo a passo.

Provavelmente ela se aproximará de ti.

Licensed under CC BY-NC-SA 4.0
Última atualização em Jul 14, 2021 22:23 UTC
comments powered by Disqus
Criado com Hugo
Tema Stack desenvolvido por Jimmy